quarta-feira, 15 de abril de 2015

DOSSIÊ- TEXTO 04 – QUATRO 15abril2015 - Prof. José Jorge



ESCRAVIDÃO SEM FIM
RENATO ALVES – CORREIO BRAZILIENSE – 15 ABRIL 2015 – PAG.

                Meninas descendentes de escravos são mantidas como escravas sexuais em Cavalcante (GO). A revelação feita pelo Correio Braziliense, no domingo, causou comoção nos leitores nos leitores do jornal. Centenas deixaram comentários nas redes sociais, indignados com o crime e, principalmente, com a impunidade.
                Até então, o município goiano, distante 310 km de Brasília, era famoso apenas pelas belezas naturais. Ao pé de uma serra, na região da Chapada dos Veadeiros, a cidade tem mais de 100 cachoeiras. Muitas delas, quase intocadas. No entanto, para boa parte dos 10 mil moradores de Cavalcante, a exploração do trabalho e do corpo das meninas nascidas em comunidades quilombolas nunca foi novidade. É comum crianças de até 10 anos trabalharem como domésticas em casas de famílias de classe média do município.
                São muitos os relatos de garotas abusadas. Os autores, em sua maioria, são fazendeiros, políticos, comerciantes. Homens que mandam na cidade desde sempre. Por isso, o silêncio e o medo imperam entre vítimas e testemunhas.
                Os pais mandaram as filhas para a cidade sonhando com um futuro mais digno para elas. Eles sequer têm ideia das barbáries ocorridas nas casas daqueles que supunham seus salvadores. Para os pais, elas ganham abrigo e comida em troca da oportunidade de estudo. Mas as garotas sofrem as mesmas atrocidades impostas aos ancestrais no período da escravidão: trabalho degradante e estupros frequentes.
                No entanto, as práticas criminosas são encaradas por alguns moradores de Cavalcante, como algo meramente cultural, que se perpetuou por gerações. Para essa gente, as mulheres das comunidades quilombolas do nordeste goiano continuam sendo propriedade privada como animais. Somente no fim do ano passado, a Polícia Civil de Goiás iniciou a apuração dos crimes cometidos pela elite de Cavalcante. E, só após as reportagens do Correio, autoridades da esfera federal prometeram uma reação.
                Mas, contra os estupradores, parlamentar alguma apresenta projeto de mais rigor na punição. Já contra crianças e adolescentes negras e pobres abandonadas pelo Estado, segue a toque de caixa a lei que diminui a idade para puni-las cada vez mais cedo.

ATIVIDADES:

1.       Pesquise o significado das palavras e conceitos abaixo relacionados:

1.       Impunidade.
2.       Chapada dos veadeiros
3.       Comunidades quilombolas
4.       Classe média
5.       Imperam/imperar
6.       Barbárie
7.       Supunham/supor
8.       Atrocidades
9.       Meramente/mero
10.   Propriedade privada

2. Faça um texto de no mínimo 10 linhas, comentado o parágrafo: “Mas, contra os estupradores, parlamentar algum apresenta projeto de mais rigor na punição. Já contra crianças e adolescentes negras e pobres abandonadas pelo Estado, segue a “toque de caixa” a lei que diminui a idade para puni-las cada vez mais cedo”.

4 comentários:

Nego Jorge Ghezo - Professor José Jorge disse...

fica faltando só mais um texto, galera... portanto, ao trabalho!!!!

Joao Paulo disse...

kkkkk ea vida ne

noel matos disse...

IMPRESSIONANTE, como a escravidao sexual ainda existe, e ainda por cima debaixo dos olhos dos orgaos governamentais..acho isso um absurdo...

Nego Jorge Ghezo - Professor José Jorge disse...

Bem vindo AA realidade, noel.